Navegue no Blog

26/11/2017

Coisas que aprendi com o livro "Extraordinário"

 Depois de mais de três meses sem conseguir terminar um livro decentemente...Voltei!
Lembro-me que no começo do ano me propus a ler -pelo menos- um livro por mês. Não foi bem isso,não segui essa meta totalmente. Mas,até agora li ao todo 10 livros! E isso já é um bom começo,eu acho.
Não fiz resenha de metade deles,eu sei. Sinto muito,porém vou tentar.

E o livro de novembro foi o tão aclamado e indicado: Extraordinário. Acho que esse foi um dos livros que mais me indicaram até hoje,confesso que já vinha tentando lê-lo há algum tempo,mas sempre o deixava como segunda opção...Enfim,o importante é que eu terminei e estou aqui para contar cinco coisas que aprendi com esse livro.
Sinopse
"Auggie Pullman é um garoto que nasceu com uma deformação facial. Pela primeira vez, ele irá frequentar uma escola regular, como qualquer outra criança. No quinto ano, ele irá precisar se esforçar para conseguir se encaixar em sua nova realidade."
  "Quem somos nós! Nós! Certo? Que tipo de pessoas somos?"
 Uma das mensagens que esse livro passa é:"(...)sempre tentar ser um pouco mais gentil que o necessário"
Gosto quando os livros me questionam de alguma forma. Seja ele um questionamento sobre minha pessoa ou não; gosto de questionamentos! E grande parte desse livro me fez questionar sobre meu comportamento em relação com as pessoas,se eu sou gentil ou não...E por que não ser um pouco mais gentil que o necessário?

"Devemos ser gratos pelas coisas que temos"
Por vezes somos tão injustos e ingratos com as coisas que temos e acontecem em nossa vida. E tudo bem,até porquê somos humanos...Mas as vezes é necessário um choque para pararmos de reclamar de tudo e olhar para as coisas -por mais simples que sejam- que nos foi dado e quanto somos abençoados.
 "A questão é que todos temos dias ruins."
Todos temos dias ruins. E nem por isso devemos considerar que nossa vida também seja ruim! São só tempos ruins...

"As vezes magoamos as pessoas sem querer,entende?"
Sim,magoamos pessoas. Assim como também somos magoados! O importante é aceitar isso e pedir desculpas,já é um grande passo.
 "Todos somos excepcionais" 
Cada um de sua forma é excepcional,importante...Sem exceção!

"Todo mundo deveria ser aplaudido de pé
pelo menos uma vez na vida, porque todos
nós vencemos o mundo."

August Pullman
"Se forem apenas um pouco mais gentis que o necessário, alguém, em algum lugar, algum dia, poderá reconhecer em vocês, em cada um de vocês, a face de Deus."

E vocês? o que aprenderam com esse livro? 

See ya!


21/11/2017

Um dia em Paquetá | Fotos

Faz tempo que não faço um post cheio de fotos minhas por aqui. Na verdade é que tem me faltado tempo e a rotina! Porque quando se entra em um rotina onde você passa pelos mesmo lugares,vê as mesmas pessoas...E a vontade e a inspiração somem. Simples,triste,porém real.

Enfim,essas fotos são de um tempo atrás -põe tempo nisso- que passei um dia inteirinho na ilha de Paquetá aqui no Rio. É uma ilha localizada na Baía de Guanabara,é tão pequena que você consegue conhecer a ilha toda à pé em menos de três horas!
Pra chegar na ilha você deve pegar uma barca,que o tempo é de mais ou menos uma hora.
Como é uma ilha turística,muitas coisas lá são bem antigas,como casas,restaurantes...Que dá até um certo charme ao lugar.

Fiquem com o vídeo que gravei de lá:


10/11/2017

Ressignificação

Você é poesia pura. É o canto dos pássaros no final de tarde, é música do Djavan completa. Ter você é sorte grande, é mais que ganhar na loteria, é honroso poder amar-te. É o meu calor em dias frios, minha calmaria em dias tempestosos. É um prestígio que, jamais nenhum poeta pode receber.

No final das contas você é tudo o que sempre precisei mas nunca soube pedir. É aquilo que eu achava que só acontecia com os outros.
Você me bagunça sem me causar nenhum dano, mostrei meus piores lados e teu sorriso foi minha melhor resposta.
Tu se tornou aconchego, abrigo...E sou grato por isso.

Me inspira em ver sua resiliência, que em meio a tantas lutas você continua sendo sua melhor versão, o que consequentemente me fez ser a minha.
Você despiu minha alma sem ao menos usar as mãos.

A ressignificação de amor é você. 

Lacônico.

10/11/2017

Esta tudo bem. Mais esta tudo diferente...Tudo tão monótono. E é nesse linha do “esta tudo bem” e o incomodo que eu me complico.
Quero fazer tudo! Mas as vezes me sinto sem responsabilidade e capacidade o suficiente. Quero tanto orgulhar minha mãe, que vou atrás das minhas coisas e independência incessantemente e mesmo assim sinto que nada vai pra frente. E ai surge o desanimo...Tem dias que sinto como se eu só estivesse existindo. Vou para a aula, mas só meu corpo esta ali. Esses dias chorei na aula de literatura por me sentir impotente (não pela aula), me senti impotente porquê quero começar as coisas e mesmo assim dependo de algo ou alguém, e as vezes até do tempo. E isso me sufoca!
Me sinto vazia, lacônica, sem ânimo, vida ou vontade de viver. E ao mesmo tempo me sinto tão ingrata! Por estar recebendo oportunidades incríveis e não estar sabendo aproveitar -pelos menos eu acho que não-.
Minha mãe vem cobrando muito de mim, desde que faculdade eu quero fazer, até com o tipo de cara que eu quero/vou me envolver! Ela só se esquece que, na vida de uma adolescente nada é premeditado, tudo é consequência.
Não a culpo, sei que ela tem muitas cobranças nas costas em relação a minha vida. E sei também que todos esses sermões, gritos, brigas, cobranças...São para o meu bem. Eu sei que esse é o jeito dela de me cobrar, mesmo que não seja o jeito mais saudável.
Eu só não quero esquecer que: a maioria das coisas que ela vem passando é para melhorar de vida e consequentemente nos ajudar a melhorar.

Preciso de um tempo. Tempo de mim, das minhas "responsabilidades’’...E até mesmo dos meus planos. Sou uma garota de 16 anos com a saúde mental totalmente fodida, tem vezes que os pensamentos ruins tomam conta do meu corpo e mente que eu não consigo controlar, só chorar.
Não sei como isso vai acabar, só espero que acabe!

E até lá, vou passar por tudo isso e um dia, transformar toda essa angustia em arte ou aprendizado.




21/10/2017

A importância do "deixar ir"

Estou sentindo como se estivesse me quebrando. Pouco a pouco. E eu não sei o que fazer!
É como se eu estivesse em um corredor escuro,sozinha,andando,implorando por ajuda,agoniada -não de dor,mas sim de medo-. E que,nesse corredor,toda vez que eu dou um passo á frente,é como se eu perdesse um pouco de mim...Da antiga eu. E não pudesse olhar para trás,e muito menos voltar para me encontrar. Lá,eu estou sozinha,desamparada e com medo. Mas sinto que preciso seguir enfrente...

E também foi nesse corredor onde eu entendi a necessidade de deixar ir. De me descobrir,de me reinventar,de me quebrar! Agora,eu sinto que eu mesma crio meus paradigmas,minhas regras...Minha essência. Então,resolvi deixar ir. Pessoas,coisas,sentimentos...

Desculpa se você foi uma dessas pessoas das quais eu "deixei pra trás". Mas,você sabe,não precisamos de nada que não nos acrescente! Desculpa se eu lhe ofendi. Mas é porque estava me sentido sufocada,senti que estava me persuadindo e me moldando por razões e pessoas erradas.
E se,por algum acaso,você me conheceu em um momento da vida,e hoje,estou em outro: não é pessoal,é só que,as pessoas mudam...Somos grandes e complexos demais para caber numa caixinha! :)

Agora,essa é a minha verdade. Sinto a necessidade de mudar, de terminar o corredor,de me quebrar. Pode doer e está doendo...E tudo bem,é tão necessário! É tão necessário aprender com os erros passados,aprender a lidar com os medos,com ansiedade,agonia...E o mais importante: nunca,deixar de acreditar no meu melhor. Seja ele qual for.

"Não estou mudando,só estou amadurecendo. Eu juro!"